quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

O time da virada, o time do amor

Blog O Sentimento Não Pode Parar

Poucas músicas de torcida retratam tão fielmente a história de um Clube como a do ‘Time da Virada’, cantada pela torcida do Vasco desde a década de 70, como uma adaptação de um famoso samba-enredo da Beija-Flor de Nilópolis. Mais do que um grito de incentivo, o refrão é uma celebração a todos os momentos de superação e amor de nossa centenária instituição.
O samba que deu origem ao refrão da torcida vascaína dizia:
Iererê, ierê, ierê, ô ô ô ô

Travam um duelo de amor
E surge a vida com seu esplendor
O que na voz dos vascaínos virou:
Iererê, ierê, ierê, ô ô ô ô
O Vasco é o time da virada
O Vasco é o time do amor


Desde sua fundação, o Vasco se viu obrigado a romper barreiras. Como Clube da Zona Norte, teve que enfrentar o poder econômico e de mídia dos Clubes da Zona Sul. Rompeu preconceitos, derrubou tabus e se consolidou como único clube grande do subúrbio. Poderíamos ter tido o mesmo destino de Olaria, Bonsucesso, São Cristóvão, entre outros times da mesma região, que sucumbiram frente à empáfia dos times das áreas nobres.

Vencemos! Hoje somos um dos maiores Clubes do mundo, com uma torcida apaixonada, inúmeros títulos em todos os esportes e sedes que causam inveja em qualquer dos nossos rivais. Temos a Sede de São Januário, único estádio próprio de um dos grandes do Rio, que ainda possui áreas para práticas de outros esportes e até uma escola para os atletas da base. Ainda temos no Centro do Rio, a bela Sede do Calabouço, sem esquecer da Sede Náutica, casa do remo vascaíno. Em construção, temos o CT Almirante Heleno Nunes, no município de Duque de Caxias. Conseguimos tudo isso sem um centavo público e sem alarde na mídia. Somos, sem dúvida, a maior entidade esportiva do Estado do Rio de Janeiro.

Em campo, mostramos sempre nossa força nos momentos adversos. Quando todos desconfiavam de nós, fomos mais fortes, como no Supercampeonato Carioca de 1958 e no Brasileiro de 1974, nosso primeiro título nacional. A virada mais impressionante da história pertence ao Vasco. Em dezembro de 2000, perdíamos para o Palmeiras na casa do adversário por 3x0 e com um jogador a menos, buscamos a virada, levando à euforia máxima milhões de corações vascaínos. Inúmeras foram as ocasiões em que o Vasco da Gama mostrou em uma partida ou em competições, sua força de reação.
Hoje, passamos pelo mais difícil momento dos mais de 80 anos da nossa prática de futebol. Precisamos vencer o Vitória e ainda torcer por tropeços dos rivais diretos. Muitos já nos dão por derrotados, mas se tratando do Club de Regatas Vasco da Gama, essa pode ser exatamente a força propulsora da virada.

Virada essa movida por muito amor. Amor de uma torcida, que como nenhuma outra, ergueu com dinheiro próprio o seu estádio, maior orgulho dos seguidores da Cruz de Malta. Não somos a maior e nem vou entrar no mérito de discutir se somos a melhor torcida do mundo. Amor não se mede e o que move milhões de cruzmaltinos é o sentimento de adoração a esse Clube. Como diz a canção, “eu levo a Cruz de Malta no meu peito desde que eu nasci”. Amamos e isso é incondicional. Sofremos por nosso amor, mas temos a maior felicidade do mundo que é bater no peito e gritar “Sou Vascaíno”!

Passamos por momentos gloriosos no fim da década passada e isso nos deixou mal-acostumados. Logo surgiram os torcedores de ocasião, aqueles que só aparecem nas horas boas. Sabíamos que a bonança não seria eterna. Entre uma e outra campanha ruim, chegamos em 2008 a um momento muito difícil. A torcida, mesmo dolorida, abraçou o time e lota o Caldeirão de São Januário jogo após jogo. Assistimos duras derrotas, contra Náutico e Figueirense, mas nunca desistimos. Semana de jogo do Vasco e a cena se repetia: filas e filas de torcedores à procura de ingressos, que rapidamente se esgotavam.

Nessa semana chegamos ao capítulo final da saga do Brasileirão e apoio não vai faltar. Hoje, começou a venda dos ingressos e apesar da forte chuva que caiu na cidade do Rio, as filas em todos os pontos de venda se formaram desde muito antes das 11 horas, horário de abertura das bilheterias. Ainda não saiu a parcial das vendas, mas de amanhã não deve passar a carga de mais de 24.000 ingressos.
Mais uma vez, mostraremos nosso amor pelo Gigante da Colina e o empurraremos para essa virada que jamais sairá de nossa memória. Força Vascão, estaremos ao seu lado até o apito final do juiz!
Postar um comentário